Homem usa aplicativos de relacionamento para praticar assaltos em Salvador

Vítimas tem seus pertences roubados e fotos intimas divulgadas nas redes sociais.
Vítimas tem seus pertences roubados e fotos intimas divulgadas nas redes sociais. (Foto: Reprodução/Internet)

O blog Me Salte, do site Correio 24 horas, denunciou em reportagem publicada no último sábado (17), uma onda de assaltos que está acontecendo em alguns bairros de Salvador, na Bahia, após homens gays marcarem encontros amorosos com usuários de aplicativos de relacionamento. A ação acontece em locais próximos.

De acordo com a publicação, ao chegar no local combinado, às vítimas acabam sendo surpreendidas pelo ladrão, na maioria dos casos de moto, que rouba os seus pertences e ainda acabam sendo chantageadas pelos golpistas, que espalham fotos dos rapazes pelas redes sociais.

Um dos casos mais recentes aconteceu na semana passada com um estudante de 22 anos, identificado de maneira fictícia de Alisson. Apesar de marcar em um shopping da capital baiana, meia hora antes do horário marcado, o bandido ligou para oferecer carona.


 

“Ele chegou de moto (usava capacete), perguntou meu nome e quando eu confirmei que era eu ele me assaltou”, relatou a vítima, que dois dias após o ocorrido recebeu através de amigos a notícia de que havia um perfil fake com nome diferente do seu utilizando suas fotos, o que resultou em posts no Whatsapp como se Alisson fosse ladrão, a ação quase custou o seu emprego.

Leia Mais:

Pesquisa revela que lésbicas sofrem mais violência doméstica do que os gays

Jovem gay de São Carlos é impedido de doar sangue: ”senti vergonha”

Em outra situação, um rapaz identificado como Jonas relata que teve seu celular roubado e uma quantia de R$ 400 em dinheiro. “Ele marcou comigo no ponto de ônibus. Quando chegou no local marcado – de moto – me pegou e levou para o condomínio. Lá, ele pediu meu telefone e disse que tinha esquecido a chave de casa. Quando pegou meu celular, ele acabou me mostrando uma faca.”, descreveu.

Os casos foram encaminhados para a delegacia de Crimes Cibernéticos, mas em sua maioria ainda não houveram solução. A reportagem entrou em contato com a Polícia que também não retornou contato.


DEIXE UMA RESPOSTA