Ministério da Saúde lança vídeo contra a violência LGBT; Confira

Entre os dados apresentados no vídeo, é possível verificar que no ano de 2016 foram notificados nos sistemas de saúde 240 mil casos de violência contra a população LGBT
Entre os dados apresentados no vídeo, é possível verificar que no ano de 2016 foram notificados nos sistemas de saúde 240 mil casos de violência contra a população LGBT (Foto: Reprodução/Youtube)

O DAGEP/SGEP e a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde lançaram o vídeo ‘Notificação de Violências contra a População LGBT na Saúde’.

O vídeo traz dados sobre a violência contra a população LGBT e visa incentivar a coleta dessas informações pelos serviços de saúde. Além disso, o material também tem como objetivo auxiliar profissionais a respeito do tema.

Entre os dados apresentados no vídeo, é possível verificar que no ano de 2016 foram notificados nos sistemas de saúde 240 mil casos de violência. Desses, 4.608 foram contra gays, lésbicas e bissexuais. Outros 4.070 registros foram contra travestis, mulheres transexuais, e homens transexuais. Já outros 865 casos foram motivados por homo, lesbo, bi e transfobia.


Renata Sakai, analista técnica de políticas sociais do Ministério da Saúde, explica que essas informações são recebidas pela área de prevenção e vigilância de violências e acidentes, através de informações preenchidas na ficha de notificação dos sistemas de saúde, e que são importantes para identificar as motivações a populações mais vulneráveis, entre eles idosos, mulheres, crianças, população negra, e LGBT.

Além disso, a escolha da produção especialmente para a data que marca a luta contra a Homofobia teve motivos específicos para a área da saúde. “Muitas vezes os profissionais da saúde tem dificuldade em entender os conceitos relativos à orientação sexual, se é homossexual, é lésbica, gay, e com relação à identidade de gênero, se é mulher transexual, é homem transexual, travesti. E como essas informações são coletadas na ficha de notificação, os profissionais precisam entender esses conceitos para obter dados nacionais”.

A analista também acredita que com esse tipo de ação é possível enfrentar o problema da Homofobia e entender qual a realidade da violência contra a população LGBT. “Temos que mostrar que o SUS se preocupa, e que queremos enfrentar esse problema”, destaca.

Andrey Lemos, tecnologista em gestão de políticas públicas de saúde do Ministério da Saúde é um dos protagonistas do vídeo, e para ele, é importante garantir cada vez mais a efetivação dos princípios do SUS e respeitar a diversidade da população. “Hoje nós temos nas mídias sociais um aliado importante, e esses vídeos explicativos ajudam a fortalecer ações de educação tanto para gestores, quanto para trabalhadores e usuários da saúde”.

Notificações

A notificação de violência na saúde é diferente da denúncia da violência. Quando a pessoa procura um serviço de saúde e relata uma agressão, essa notificação feita na Unidade de Saúde é sigilosa. A pessoa deve ser orientada a procurar uma delegacia de polícia para fazer uma denúncia da violência que sofreu.

 


DEIXE UMA RESPOSTA