Na Itália, Transexual brasileira é presa junto a homens e faz greve de fome que já dura 8 dias

Bandeira do movimento LGBT
Bandeira do movimento LGBT (Foto: Getty Images)

Trans iniciou protesto para reclamar seu legítimo pedido de ser presa junto às mulheres

Adriana, uma transexual brasileira que vivia na Itália há 20 anos, perdeu sua permissão de residência e na sequência foi detida em um centro para homens.

Indignada com o destino que deram a ela, a trans iniciou uma greve de fome para denunciar a situação que já dura 8 dias.


 

Quem uniu-se às reivindicações foi o ex-presidente da região da Apúlia, Nichi Vendola. “Quais são os direitos de uma transexual quando está presa, quanto vale sua vida, quanto pesa sua história, quanto vale sua dignidade?”.

Adriana vive na Itália há duas décadas e agora, após perder o trabalho, teve a permissão de residência no país negada, segundo explicou o próprio Vendola, muito ativo na defesa dos direitos do coletivo LGBT.

Por essa razão foi presa em um centro de identificação e expulsão de imigrantes à espera de que as autoridades estudem sua solicitação de asilo porque temem por sua segurança uma vez que retorne a seu país natal, Brasil.

“A Adriana espera para saber qual será seu futuro e enquanto isso quer ficar onde deve. O governo tem orelhas capazes de escutar uma voz assim distante?”, questionou Vendola.

Fonte: Exame


DEIXE UMA RESPOSTA