Hospital de São Paulo joga no lixo sangue de estudante gay

Médica disse que sangue de estudante não serve porque ele é gay
Médica disse que sangue de estudante não serve porque ele é gay (Reprodução)

Hospital joga sangue doado por estudante gay no lixo sob a justificativa de que sangue homossexual é ‘ruim’

“Você não vai querer sangue ruim no seu corpo, né? Não vai querer sangue de gente promíscua?”

“Você está insinuando que eu sou promíscuo?”


“Não.”

“Você está insinuando que os gays são promíscuos?”

“Veja bem, o que eu quis dizer é que você é uma exceção, né. É difícil ver gays em relacionamentos estáveis como o que você está relatando para mim.”

Esse foi o diálogo que Leonardo Uller teve com a médica Mirianceli Mendonça (CRM 55924-SP) ao tentar doar seu sangue no Hospital 9 de Julho, em São Paulo. O estudante de jornalismo de 19 anos respondeu ao questionário do hospital antes da doação e confirmou que era homossexual, mas que mantinha um relacionamento fixo há mais de 12 meses e que sempre usou preservativo. Ainda assim, a médica afirmou que não poderia doar seu sangue porque era considerado “de risco”.

Leonardo manteve a discussão mesmo após sofrer assédio moral e conseguiu realizar a doação. Entretanto, a pior notícia veio depois: seu sangue seria descartado. Uma colega próxima do estudante conversou com os diretores do Hospital 9 de Julho, que informou: “O hospital, que tem obrigação em preservar a saúde e vida dos pacientes, nunca será condenado por se tratar de pessoas de alto risco e contágio”. “A bolsa do sangue doado é descartada”, contou em uma conversa informal via Facebook.

O jovem relatou que já doou sangue outras vezes no Hospital São Paulo, e que nessa instituição nunca perguntaram sobre a sua sexualidade. “A pergunta é apenas quantos ‘parceiros’ nos últimos 12 meses, sem especificar o sexo”, disse Leonardo. Porém, desta vez precisava ajudar a repor as doações do Hospital 9 de Julho, onde seu tio está internado.

“Hoje eu entrei em contato com a Defensoria Pública e, por conta da falta de testemunhas, eles falaram que talvez a melhor opção seja apenas um ofício para notificar o hospital”, contou Leonardo. Mesmo assim, ele mantém a intenção de processar a instituição e para isso já conta com auxílio de um advogado. “A maior prova que eu tenho é o próprio sistema do hospital e a minha ficha, onde tem o questionamento se ‘tive relações com outro homem’”.

Em um relatório enviado à instituição, o jovem questiona: “Sobram tantos doadores no Hospital 9 de Julho para jogar o meu pelo ralo?”. Ele também enviou a Portaria Nº 1353 de 13/06/2011 do Ministério da Saúde, cujo artigo 1º § 5º define: “A orientação sexual (heterossexualidade, bissexualidade, homossexualidade) não deve ser usada como critério para seleção de doadores de sangue, por não constituir risco em si própria”.

Apesar de contar com o apoio de grupos estudantis, Leonardo espera agora a manifestação de lideranças LGBT sobre o assunto. “Mandei uma mensagem pro [deputado federal] Jean Wyllys, mas até agora nada”, disse ele, que considera o fato homofobia.

Fonte: Pragmatismo Político


DEIXE UMA RESPOSTA