“Mariquinha” – Vereador de BH é acusado de atitude homofóbica após ofender colega da Câmara

Vereador Jair di Gregório
Vereador Jair di Gregório (Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução Facebook)

O episódio ocorreu na sessão dessa segunda-feira e envolveu Jair di Gregório (PP) que usou a palavra em plenário para fazer críticas a Gilson Reis (PCdoB)

Um vereador está sendo acusado de atitude homofóbica por alguns colegas da Câmara Municipal de Belo Horizonte. Na sessão dessa segunda-feira, durante debate sobre a rejeição de um projeto, o líder do governo na Casa, vereador Gilson Reis (PCdoB), foi chamado de “mariquinha” por Jair di Gregorio (PP).

A fala fez com que outros parlamentares se posicionassem e condenassem a atitude de Gregório. O pepista, por sua vez, nega que tenha usado a palavra com tom de ataque de gênero, mas contra o que ele chamou de “fofoca” feita por Reis.


O desentendimento começou quando um projeto de interesse do Executivo, que criaria o fundo municipal para o esporte, não teve votação favorável e foi rejeitado. Os vereadores acusam o líder do governo de ter “ameaçado” os parlamentares ao dizer que estava colocando reparo em quem estava votando contrariamente à proposta.

Nesse momento, o vereador Jair Di Gregório, ao criticar Reis, disse que ele estava fazendo papel de “mariquinha” e que aquilo não era papel de homem.

O vereador Gabriel Azevedo (PHS) condenou a fala do colega, apesar de concordar com o protesto sobre a forma considerada inapropriada da fala de Gilson Reis. “Acho que a orientação sexual, a questão de gênero, não deve perpassar aqui como ferramenta de ofensa, fica aqui minha discordância, vereador Jair, em relação ao termos que o senhor usou em relação ao líder do governo, acho que esse não é o caminho”, disse.

As vereadoras Áurea Carolina e Cida Falabella -ambas do PSOL -, também se posicionaram de forma contrária a utilização do termo e repudiaram a atitude. Em nota conjunta, as duas parlamentares ressaltaram que o Brasil é campeão mundial de violência contra LGBTs e que expressões como essas, usadas de forma pejorativa, ajudam a reforçar a cultura de preconceito. “É inaceitável que discursos preconceituosos sejam reproduzidos por representantes eleitos e tenham lugar no parlamento, espaço onde os direitos de todas as pessoas devem ser defendidos”, afirma o post.

Já o líder do governo, Gilson Reis (PCdoB), também relembrou que os altos índices de violência contra gays em postagem sobre o assunto, feita em uma rede social. “De “mariquinha” “veado” “bicha” e tantos outros termos jocosos são chamados tantos jovens e adultos ao longo dos anos em nosso país, que por serem gays, são expulsos de casa, isolados, perseguidos, agredidos, assassinados e até mesmo cometem suicídio por não suportar a situação”, afirmou.

Procurado, o vereador Jair di Gregório disse que o termo “mariquinha” foi descontextualizado e que a intenção dele ao usar a palavra têm referências interioranas. “Na roça as pessoas usam essa palavra para dizer que a pessoa é fofoqueira”, disse.

Gregório afirmou ainda que “tem amigos e familiares que são gays” e que isso não é problema para ele. Segundo o vereador, a bancada da extrema esquerda na Casa tentou com isso criar um fato, já que ele é evangélico e pastor.

Questionado pela reportagem se a utilização do termo não poderia reforçar preconceitos o vereador não respondeu diretamente e ressaltou o fato de que não usou a palavra com intenção homofóbica. “Eu não sou homofóbico. Na verdade, quando eu disse , não falei com essa intenção (homofóbica). Eu falei em referência à fofocas. O forma de união da família tradicional é uma, mas a familía que eles (LGBTs) fizeram opçãoé outra e eu não tenho nada com isso”, declarou.


DEIXE UMA RESPOSTA