Diva! Filha de Trump bloqueia ordem da abolição de direitos dos LGBTs

Ivanka Trump, filha do atual presidente dos EUA Donald Trump
Ivanka Trump, filha do atual presidente dos EUA Donald Trump (Foto: Divulgação)

Existe esperança na família Trump!

A filha do 45º presidente dos EUA Ivanka Trump, juntamente com o seu marido Jared Kushner, ajudaram a bloquear a ordem de Donald Trump que visava cancelar o programa de Barack Obama de proteção contra discriminação da comunidade LGBT.

A informação foi divulgada pelo jornal Politico que cita as suas fontes.


De acordo com o jornal norte-americano, Kushner, que ocupa o posto de conselheiro superior do presidente, e sua mulher conseguiram evitar que o projeto de abolição do decreto que Obama assinou em 2014 atingisse a mesa do chefe da Casa Branca.

O decreto em questão proíbe a discriminação relativamente a gays e lésbicas nos postos de trabalho.

Cabe destacar que em 31 de janeiro a Casa Branca publicou uma declaração que, de acordo com o Politico, foi feita graças a Ivanka Trump e Jared Kushner:

“A ordem assinada em 2014 que protege os funcionários de discriminação no posto de trabalho com base em pertença a LGBT, por indicação do presidente Donald Trump, continuará sem alterações.”

A mídia divulgou também que na preparação da ordem para abolição do programa sobre gays e lésbicas participou o vice-presidente dos EUA Mike Pens, conhecido por suas vistas conservativas.

Mais cedo, em 20 de janeiro, logo após a cerimônia de posse do 45º presidente dos Estados Unidos, do site da Casa Branca foram removidas páginas com materiais sobre vários temas, inclusive sobre os direitos da comunidade LGBT.

Durante a chefia de Barack Obama, os casamentos unissexuais foram admitidos como um direito constitucional dos cidadãos. Em junho de 2015, a Suprema Corte dos EUA decretou a legalização do registo de uniões de pessoas do mesmo sexo em todo o território do país. Antes disso, a permissão de casamentos de membros da LGBT fazia parte da jurisdição das autoridades de cada estado dos EUA.


DEIXE UMA RESPOSTA