Associação Gay de Hóquei de Toronto luta contra a homofobia

Toronto Gay Hockey Association
Toronto Gay Hockey Association (imagem: instagram @bitofaloudmouth)

Hoje conhecemos a Toronto Gay Hockey Association (Associação Gay de Hóquei de Toronto). Ela começou em 1992 com alguns caras que queriam jogar hóquei com alguma frequência, para o que ela é hoje: uma organização de 11 equipes e que em sua 25 ª temporada tem 165 jogadores. A Associação promove a igualdade e inclusividade e proporciona uma atmosfera onde todos se sentem confortáveis para ser quem são.

Como a NHL enaltece neste mês, Hockey Is For Everyone (o hockey é para todos), os eventos estão sendo realizados em toda a Liga para promover esta importante iniciativa.

No sábado, o Toronto Maple Leafs recebeu o You Can Play Night (você pode jogar hoje a noite) durante o seu jogo contra o Buffalo Sabres no Air Canada Center. Mais de 20 membros do TGHA estavam no treino da manhã e participaram de uma sessão de meet-and-greet com Darryl Sitter, aluno do Maple Leafs.


Em entrevista à NHLChris Murray, o comissário da Associação de Hóquei Gay de Toronto e associado a quase vinte anos, diz: “Eu acho que é que a NHL tomou uma posição de liderança onde você pode ser quem você é e simplesmente ser um bom jogador de hóquei”, disse Murray. “Se você pode jogar, você pode jogar. Eu adoro isso. O que é ainda mais impressionante é que às vezes nem sequer é uma conversa, porque muitas pessoas simplesmente não se importam, o que realmente é o que deveria ser”.

“Eu tenho que admitir que esse aspecto da liga (homofobia) está indo lentamente porque as pessoas estão mais conscientes da linguagem homofóbica e não está sendo tolerado tanto como costumava ser”, disse Murray.

“Muita geração mais nova, pessoas que vêm da universidade, estão dizendo: ‘Sabe? Eu não preciso me afiliar na TGHA, estou muito feliz na liga em que estou agora. Já sou aceito por quem eu sou'”, disse Murray.

“Temos um número de jogadores que são heterossexuais e eles vêm de diferentes áreas”, disse Murray. “Costumava ser um melhor amigo de alguém que estava na liga ou o irmão de alguém, mas hoje em dia só acaba sendo gente que você conhece … A qualidade do hóquei é boa, as equipes de torneio que enviamos são muito, muito boas e acaba por ser mais uma liga social”

O jogo é competitivo, mas o TGHA impõe um código de conduta rígido – “Você não vai perder os dentes em nossa liga”, disse Murray. “E se essa linha é cruzada, há uma política de tolerância zero”

“Se houver um soco contra você, você nunca verá aquela pessoa na liga outra vez,” Murray disse. “Nós somos muito rigorosos com a não-violência, ninguém dá um golpe para machucar ninguém, se é que é uma conversa disciplinar muito dura, mas não acontece com freqüência, mas de vez em quando acontece”.


DEIXE UMA RESPOSTA