Gaymada SP se une à orgãos de saúde da Prefeitura e do Estado para oferecer teste de HIV

Gaymada SP
Gaymada SP (Foto: Divugação)

9ª edição da Gaymada de São Paulo, acontece sábado (21), no largo da Batata e contará com uma novidade: teste de aids.

O evento organizado por Lucas Galdino contará com a parceria do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP, Programa Municipal de DST/AIDS-SP  e ONG Viração/Viva Melhor Sabendo Jovem (VMSJ).

A equipe do CRT DST/Aids-SP ofertará teste anti-HIV (polpa digital e fluído oral) das 13 às 16h30, com distribuição de insumos – preservativos e gel lubrificante, e a  equipe do Programa Municipal DST/Aids-ONG Viração realizará testagem por fluído oral, das 17h30 às 21h.


No Estado de São Paulo, foram notificados 251.133 casos de aids até junho de 2016. Diferentemente dos casos de aids, a taxa de detecção (TD) de indivíduos HIV positivos vem crescendo progressivamente desde o início de 2000 até 2015.

Preocupa, particularmente, o crescimento da infecção entre jovens gays. Verificou-se um aumento de 121% desde 2010, no estado de SP, passando de 1.686 casos para 3.728 em 2015.

Com um público massivamente jovem, a organização da Gaymada São Paulo vê uma grande oportunidade na parceria para realização dos testes.

“Acompanhando o aumento do número de jovens diagnosticados com HIV, acreditamos ter um dever latente em auxiliar na disseminação da informação. Convidar os órgãos competentes para realizar testagem gratuita dentro do nosso evento, voltado para o público jovem e pertencente à comunidade LGBTT, é um pequeno passo que tomamos nesta primeira edição de 2017”, comenta Lucas Galdino, jornalista e organizador do evento. “A ideia é inserir cada vez mais assuntos pertinentes à comunidade, relacionados à saúde e direitos, em meio aos jogos”, finaliza.

Para Maria Clara Gianna, coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP, o desafio atual para enfrentamento da epidemia de aids reside no campo da promoção dos direitos humanos e prevenção a novas infecções junto a jovens HSH (homens que fazem sexo com homens).  “É preciso uma estratégia ampliada, capaz de dar conta em especial de populações mais vulneráveis – testagem, camisinha, Profilaxia pré-exposição (PrEP), Profilaxia pós-exposição (PEP), tratamento como prevenção e práticas de menor risco”, observa Maria Clara.

A coordenadora do Programa Municipal DST/Aids, Eliana Battaggia Gutierrez,  chama atenção para o crescimento da epidemia entre jovens, especialmente jovens gays  e entre a população negra. “Precisamos atualizar nossa comunicação e articulação  com as populações chave e pessoas mais vulneráveis para  que  tornar acessíveis todos os recursos de que dispomos hoje para evitar novas infeções –  preservativos, gel,  PeP , a futura PreP (ainda não disponível), testagem em ambiente comunitário, auto testagem (ainda não disponível)  e tratamento para todas as pessoas que vivem com HIV ”, comenta.

Sobre o evento

Inspirada na Gaymada de Belo Horizonte, organizada pelo grupo TODA DESEO, mas com organização independente, os jogos libertários, políticos e divertidos da Gaymada São Paulo têm a intenção de trazer a maior capital do país mais cor em formato de partidas de queimada LGBTT como forma de ocupar os espaços públicos com corpinhos nada discretos, muito menos fora do meio. Além disso, os jogos também têm o cunho de unir a comunidade LGBTT em um momento de descontração, diversão e “lacração”, bem como em uma competição saudável. 
Considerado o segundo Melhor Evento LGBT de 2016, em votação pública do site Guia Gay São Paulo, perdendo apenas para a Parada do Orgulho LGBT (veja aqui), a Gaymada São Paulo não é voltada somente para o público gay masculino. O evento também é pros homens e mulheres trans, travestis, bissexuais, assexuais e não-binárias. Os jogos são para todo tipo de identidade de gênero, tipo físico, etnia, raça e pessoas de qualquer idade! 

DEIXE UMA RESPOSTA