Anitta, Ivete, inês
Anitta, Inês Brasil, Ivete Sangalo (Reprodução)

No meio LGBT é muito comum perguntas como: “Qual a sua diva pop preferida?”. Em resumo, se pensarmos de forma acrítica, essa diva seria uma mulher bonitinha, agradável, vestindo roupas deslumbrantes e com trejeitos atraentes. Ok.

Porém, para os que não são inseridos e/ou não sabem, o meio LGBT é um espaço extremamente político. Autenticamente político. A primeira Parada no Brasil foi realizada em junho de 1997, na Avenida Paulista e, nesse sentido, o brado por direitos já era entoado. Ou seja, não é só uma música agitada e um ‘rebolado frenético’ que têm na festa.

Após isso, em todo o desfile, uma tema pertinente à comunidade é trazido à luz. Este ano, o tema da parada foi os 50 anos de Stonewall, um marco para comunidade e o grande motriz na luta por igualdade.


Mas, o que esse exposto tem a ver com as divas? Tudo! LGBTs, sobretudo após a polarização das últimas eleições, passaram a ser mais seletivos no que tange à representante perfeita, ou perto disso.

Evidentemente que, acima de tudo, cada um deve se representar, até porque nenhuma cantora midiática e cheia de seguidores fanáticos pode correr atrás dos seus direitos e direcionar a tua vida, isso só você pode fazer. Porém, é comum nos depararmos com um garoto gay ou uma menina lésbica se sentindo só e desinserido do modelo social tido como normativo. Desse modo, costumam buscar em uma figura forte e destemida alguém para inspirá-los.

Enfim, vamos lá. Lembrando que nenhuma famosa tem a obrigação de ter uma postura robusta em relação à política, tampouco levantar bandeiras por pressão. Leve a lista a seguir mais na descontração do que algo ofensivo.

No mais, que todas tenham muito êxito em suas jornadas, não deve ser nada fácil ultrapassar as adversidades da fama.

Joelma

Muito amada pelo ‘jeitão’ original e as danças fora do convencional, Joelma virou um ícone da comunidade, mas logo desvirou. A famosa causou com declarações tidas como machistas e muito tradicionais. Contudo, em entrevista, ela ressaltou que ama os gays de paixão”. Ok.

Anitta

A grande dama do pop no Brasil e dona de um rebolado bem abundante causou controvérsia no período eleitoral. Os ávidos fãs da cantora esperavam por um “ele não”, mas ela estava irredutível e resolveu sair pela tangente em diversas oportunidades. Mas depois acabou cedendo.

Mesmo não tendo uma consciência política tão apurada, Anitta é assumidamente bissexual então, querendo ou não, ela é a própria bandeira.

Xuxa

Amada pelos baixinhos e pelos grandinhos, a dona do ‘Ilariê” acabou dividindo opiniões após enfatizar que tirou LGBTs de suas apresentações para evitar o preconceito do público. A cantora levava drag queens para interpretar suas fiéis assistentes de palco, as Paquitas.

 Claudia Leitte

A gata já foi acusada por internautas de homofobia, machismo, entre outras coisas. Para ser mais específico, Claudia Leite, em entrevista à jornalista Léo Áquilla, em 2008, para o TV Fama, foi questionada sobre o que faria caso o seu filho fosse gay. Ela, no entanto, afirmou que seria melhor se ele fosse “macho”.

Miley Cyrus

Após assumir a rebeldia toda que guardava dentro de si, Miley tornou-se ainda mais amada: não por ficar nua pendurada em uma bola, mas por ser autêntica. Porém, este ano, a famosa acabou protagonizando uma polêmica com seus fãs gays.

Há homens bons por aí, pessoal, não desistam. Vocês não precisam ser gays, há boas pessoas que tem pênis por aí, vocês só precisam encontrá-los”, aconselhou ela, que depois se desculpou.

Cardi B

A rapper foi acusada de transfobia após uma postagem em suas redes. “Eu espero que ninguém veja este trans deixando minha casa” disse. Pouco tempo depois, claro, ela se defendeu das acusações.

“Chegou à minha atenção que postagens ofensivas estavam sendo feitas no que costumava ser minha página de Facebook. No último um ano e meio um ex-membro do time tem sido o único com acesso à conta”, escreveu Cardi em seu Twitter.

Inês Brasil

Doidinha de tudo, Inês logo foi acolhida pela comunidade e aclamada por sua trajetória e seu jeito irreverente. Porém, apareceu, no período eleitoral, acompanhada do presidente, que a usou para tirar de si mesmo a etiqueta de homofóbico, já que a votação para presidência se aproximava e ele já estava com um discurso, digamos, mais acurado.  Ingênua ou não, ela gravou um vídeo com Bolsonaro. Após esse dia, perdeu a credibilidade com parte de seus fãs.

Valesca Popuzuda

Valesca Popozuda acabou causando polêmica após aparecer ao lado de maquiador famoso bolsonarista. Depois de vídeo com Agustin, a popozuda recebeu muitas críticas e, para não perder fãs, precisou ir às redes bradar pelo “Ele não”.

Ivete Sangalo

Reverenciada por muita gente no Brasil, Ivete é considerada um símbolo de alegria e boas vibrações. Porém, também no período eleitoral, optou por não se posicionar, pois, segundo ela, a responsabilidade de uma pessoa pública é muito grande e pode gerar consequências nesse sentido. Em contrapartida, a famosa falou bem da criminalização da LGBTfobia mas, de acordo com internautas, isto é defender o óbvio.

Nicole Bahls

Mesmo não sendo cantora, o que difere das famosas citadas anteriormente, Nicole também sempre foi um ícone para os gays. Tida como engraçadinha e espontânea, ela conquistou a comunidade e passou a ser enaltecida. Contudo, acabou causando polêmica.

A modelo afirmou que não acha correto ter cenas de beijo entre pessoas do mesmo sexo em novelas, o que dividiu opiniões. Após a repercussão negativa, bem à moda Joelma, Nicole enfatizou que “ama os gays”.

Narcisa Tamborindeguy

A famosa, cheia dos bordões, conquistou o público LGBT por sempre falar que “ama os gays”, contudo, acabou dividindo opiniões após se intitular eleitora de Bolsonaro.