Vítima de João de Deus conta como esposa foi crucial para o seu processo de recuperação

Investigado desde 2018, João de Deus está condenado atualmente

Publicado em 2/9/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O caso de João de Deus tornou-se afamado após o médium chegar a ser ‘deificado’ e reverenciado por pessoas que buscavam, por intermédio dele e do imaterial, a cura para doenças, tidas até como irreversíveis. João ganhou tanta notoriedade que chegou a ser entrevistado por Oprah Winfrey, jornalista norte-americana. Posteriormente, vítimas mulheres acusaram o líder espiritual de se aproveitar do poder que tinha perante as pessoas e da própria vulnerabilidade da vítima para cometer abusos sexuais.

João de Deus tornou-se réu em duas ações penais sob acusações de violação sexual mediante fraude e de estupro de vulnerável, dada condição da vítima, totalmente ludibriada pela narrativa de que o médium seria peça-chave na resolução dos problemas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesse sentido, mais de um ano depois da estreia de Em Nome de Deus no Globoplay, a Netflix lança a série documental João de Deus: Cura e Crime. A atração teve como cenário a Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO) e mostrou todo o processo de apoteose do acusado. A série contou com depoimentos das vítimas. Dentre elas, Rejane Araujo.

Em entrevista exclusiva ao Observatório G, Rejane, que vive uma relação com Márcia há 9 anos, sendo 2 de união estável, nos contou como a sua esposa foi fundamental para o seu processo de restabelecimento.

Infelizmente perdi a minha mãe durante o meu processo de cura desse trauma, e meu pai não soube como me acolher. Ele é de outra geração e não sabia como se desconstruir nesse processo. A Márcia foi tudo e todos, foi o colo de mãe, foi a força do pai, foi a mulher empata a companheira carinhosa. Sem ela eu não teria sobrevivido, disse.

Rejane e Márcia – Arquivo Pessoal
Rejane e Márcia – Arquivo Pessoal

Hoje trabalhando no Candomblé, religião de matriz africana, Rejane deixa claro que a sua fé trouxe o acolhimento necessário, inclusive moldou o seu próprio eu.

Eu trabalho no candomblé e o que eu sou é o que esse terreiro me fez. Eu fui abençoada, como poucos nesse mundo, com alguém que me ama com tudo, com cada cicatriz, cada defeito e cada qualidade. E me amando tão sinceramente como ela me ama, não tem como não amar e respeitar o barracão de minha fé, que é parte essencial do meu caráter, contou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

MOLETOM PRIDE BRASIL

Comprar

SUNGA COLORS

Comprar

CAMISETA PRIDE HEART - LONG

Comprar

BONÉ PRIDE HEART

Comprar

MOCHILA PRIDE BRASIL

Comprar