SÉRIES LGBT? Confira as 10 melhores para assistir agora na NOW TV

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Agora não tem desculpa para não ter o que fazer nessa quarentena. Se você é assinante do NOW TV. O site Gay Times reuniu as 10 melhores série LGBT que você pode assistir na plataforma.

De dramas românticos como Looking e The L Word a épicos fantásticos como True Blood e Game of Thrones, não vai faltar programação para maratonar com seu mozão ou mesmo sozinho em casa. Se liga!

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Broad City – A Cidade das Minas (2014 – 2019)

Original Broad City (2014 – 2019) – Ilana Glazer, Abbi Jacobson

Ilana Glazer e Abbi Jacobson são duas mulheres judias-americanas na casa dos vinte anos vivendo a vida moderna em Nova York. A série recebeu elogios da crítica mundial e por sua representação progressiva da experiência LGBT. As duas personagens exploram relacionamentos durante as cinco temporadas e não sentem a necessidade de definir sua sexualidade. A Cidade das Minas é uma série de comédia-romântica que não pode ficar de fora da sua maratona.

Game of Thrones (2011 – 2019)

Uma adaptação dos famosos romances de fantasia de George R.R. Martin, A Song of Ice and Fire, Game of Thrones se passa nos continentes de Westeros e Essos e segue várias dinastias e alianças enquanto disputam o Trono de Ferro. Há dragões, morte e muito romance gay. GOT é a série mais indicada ao Emmy na história da TV, com um total de 161 indicações.

Gaycation (2016 – 2017)

Estrelado pela atriz lésbica indicada ao Oscar Ellen Page e por Ian Daniel, Gaycation explora diferentes culturas LGBT em todo o mundo. Os dois visitam países que não são conhecidos pela aceitação de queer como Japão, Brasil e Ucrânia e se reúnem com vários membros da comunidade para discutir as dificuldades de ser um cidadão LGBT. Vale muito a pena!

Looking (2014 – 2016)

Aclamado como uma versão moderna de dramas com temas gays (e como a versão gay de Sex and the City), Looking estrelou Jonathan Groff, Frankie J. Alvarez e Murray Bartlett como três homens homossexuais em São Francisco; concentrando-se em suas provações e tribulações na vida e no amor. A série de curta duração da HBO foi revolucionária na maneira como representava a comunidade LGBT retratando os gays completamente comuns e com cenas de sexo que mais parecem uma declaração política em uma época em que o casamento entre pessoas do mesmo sexo era ilegal.

The L Word: Generation Q (2019)

The L Word: Geração Q ocorre 10 anos após os eventos da inovadora série original e tem o retorno de Bette (Jennifer Beals) enquanto ela faz uma tentativa de ser a primeira prefeita lésbica de Los Angeles, com a ajuda de Shane (Katherine Moenig) e Alice (Leisha Hailey). A série também nos apresenta vários novos personagens: Dani Nùñez (Arienne Mandi), representante de relações públicas; Micah Lee (Leo Sheng), um homem trans e assistente social; e Sarah Finley (Jacqueline Toboni), uma mulher católica que luta com sua sexualidade. É um dos programas mais diversos da televisão no momento. A série retornará para uma segunda temporada de 10 episódios ainda este ano.

Modern Family (2009)

A comédia mostra a vida de Jay Pritchett (Ed O’Neill) e sua família pelos subúrbios de Los Angeles. Como Will & Grace, o programa foi criado por ajudar a mudar a percepção de personagens gays na cultura popular. Embora os personagens de Mitchell (Jesse Tyler Ferguson) e Cameron (Eric Stonestreet) tenham sido criticados por serem ‘gays estereotipados’ devido à sua extravagância, eles foram elogiados pelos críticos como um trampolim na luta pela igualdade no casamento, que passou em 2015 nos Estados Unidos durante a 7ª temporada. Os dois também têm a honra de serem os personagens LGBT mais antigos (e mais fofos) da história da TV.

Nashville (2012 – 2018)

Retratando a vida de vários cantores fictícios de música country em Nashville, Tennessee, Nashville tem elenco de American Horror Story e de The OC, como Will Lexington, interpretando um astro em ascensão que lida com a percepção de que ele pode ser gay revelando a homofobia na indústria da música country. A série tem seis temporadas e 124 episódios.

A Sete Palmos (2001 – 2005)

Antes de viver Dexter, Michael C. Hall interpretou um dos personagens gays mais realistas da televisão. De 2001 a 2005, ele foi David Fisher, um diretor funerário socialmente conservador que luta para chegar a um acordo com sua sexualidade. Ao longo de cinco temporadas, David aprende a encontrar aceitação graças ao seu principal interesse amoroso, Kevin Charles, (Mathew St. Patrick), um policial abertamente gay.

Trixie & Katya (2017 – 2018)

Um spin-off de sua série no YouTube UNHhhh, The Trixie e Katya traz os dois concorrentes favoritos dos fãs da sétima temporada de RuPaul Drag Race discutindo uma infinidade de tópicos importantes como espiritualidade, bunda, pornografia, desastres naturais e doenças (muito apropriado ao momento). Devido a problemas pessoais, Katya foi substituída pelo vencedor da oitava temporada da Drag Race, Bob the Drag Queen, pelos cinco episódios restantes.

True Blood (2008 – 2014)

True Blood se passa durante os anos da invenção de sangue sintético que permite que os vampiros “saiam” do esconderijo e vivam na sociedade normal com os humanos. A vencedora do Oscar e estrela dos X-Men, Anna Paquin, interpreta a personagem principal Sookie Stackhouse, uma garçonete que se apaixona por um vampiro “bom” de 173 anos chamado Bill Compton (Stephen Moyer). Tem vampiros, muito sangue e muitas cenas de sexo gay… sim, das boas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio