Marcelo Tas: “O CQC não deu voz só para Bolsonaro, mas também para LGBTs”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Marcelo Tas também marcou presença na 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que aconteceu neste domingo (23). O apresentador e jornalista estava curtindo o agito e foi entrevistado pelo Observatório G. Nesse sentido, foi indagado sobre a relação do CQC com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

O programa irreverente e com humor ácido, foi etiquetado como o grande propulsor de Bolsonaro para mídia e o grande público. Desse modo, Marcelo é perguntado sobre como se sente por ter, supostamente, eleito Bolsonaro. Ele respondeu que a provocação é legítima, mas o CQC “deu voz para muita gente, inclusive para os LGBTs”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“O CQC colocou o Bolsonaro em uma situação muito difícil, quando eu tive que me colocar contra ele e fui processado por isso”, acrescenta. Assim, ele enfatiza: “O CQC encampou muitas lutas e deu voz para muita gente, não só para Bolsonaro”.

Marcelo, que agora está à frente do programa Provocações, na Cultura, também abordou brevemente sobre mercado de trabalho para LGBTQ + e a criminalização da LGBTfobia. Vale frisar que, por maioria do STF, entendeu-se que LGBTfobia deveria ser equiparada ao crime de racismo. Em relação ao tema, Tas disparou: “A lei é apenas um passo, o que importa mesmo é a consciência. Essa luta é legítima, e, acima de tudo, é uma luta por Direitos Humanos”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio