Ikaro Kadoshi sobre Drag me as a Queen: “Um segurando na mão do outro no intuito de descobrir a melhor versão de si mesmo”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Apresentação com campeã de “RuPaul’s Drag Race”, disputa pelo título de “Melhor Drag Queen do Mundo” pela OUT Magazine – estes são alguns títulos de Ikaro Kadoshi, drag queen que brilha semanalmente no reality “Drag me as a Queen” do E!. O reality show tem o propósito de ajudar mulheres com baixa autoestima e problemas interpessoais a encontrar sua “queen” interior. Além de Ikaro, Penelopy Jean e Rita von Hunty estão no comando do programa e dividem o palco do maestria. Em entrevista exclusiva ao Observatório G, Kadoshi fala sobre o entusiasmo para a estreia da segunda temporada do programa.

Leia: Xuxa posa de blusa transparente com os “mamilos livres”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ikaro fala de Drag me as a Queen

– Ikaro, você já se apresentou com a campeã da nona temporada de RuPaul’s Drag Race e concorreu como a “melhor drag do mundo” pela conceituada revista OUT. Além de ser apresentadora do E!, qual sonho você ainda almeja alcançar?

Nossa. Tantos. O mundo esta aí para ser explorado. Mas desejo ganhar um Emmy com o Drag Me. E ver ele sendo transmitido pro mundo todo, para começar! Depois disso, o universo é sábio e se encarrega do resto. Quem planta o bem sempre recebe o bem.

Leia: Pepita estrela clipe de duo Philipi & Rodrigo; Assista Retrógrado

– Dentro do “Drag Me as a Queen”, qual participante mais te marcou? Você já se identificou com alguém no reality?

Todas me marcam de forma única. E me identifico com todas… sem exceção. Talvez por ser o mais velho e ter experiências diversas de vida, me identifico com todas as histórias de alguma forma por que passei por praticamente todas de maneiras diferentes. Ali não é um programa comum. É uma troca. Uma imersão na análise do humano. Um segurando na mão do outro no intuito de descobrir a melhor versão de si mesmo – que ali chamamos de diva.

Novidades

– O que terá de novo na segunda temporada do “Drag Me as a Queen” e você pode nos contar?

Olha, o que eu posso contar e que tudo está mais profundo em relação às histórias de vida. As performances estão mais elaboradas e surpreendentes. E algumas surpresas acontecerão (daquelas que se eu falar agora eu perco meu emprego – risos!). Mas eu garanto, chama a família, sente no sofá, pegue sua massa cinzenta e um aperitivo e vamos ter muito pra conversar!

– Além de Pabllo Vittar, quais outras drag queens você acredita que deveriam ser reconhecidas pelo grande público, também?

Todas as drag queens devem ser reconhecidas. Se nós tivéssemos a educação histórica de formação do mundo, desde o teatro na Grécia, passando pela sociologia e psicologia, iríamos todos entender o tamanho do significado que uma drag queen exerce no contexto social vigente no planeta Terra hoje. A drag queen quebra todos os paradigmas possíveis existentes e se torna uma ferramenta de questionamento de até que ponto eu observo a pessoa pelo gênero ou se a observo como ser humano…

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio