Artista faz vídeos educativos sobre questões de gênero e sexualidade; confira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Cesar Soares dispensa rótulos, mas se for para escolher uma categorização ele se denomina como ‘multiartista’, pois busca, por meio de todas as possibilidades propiciadas pela arte, trazer à luz questões pertinentes à diversidade. Ao Observatório G, Soares discorreu acerca de seu trabalho e destacou como isso encoraja outras pessoas, inclusive na superação de adversidades.

“Tudo começou com um post meu no Instagram: uma foto minha, no meu aniversário de 8 anos, performando com lápis no olho e jaqueta de vinil. No corpo do texto eu falava sobre deixar a criança ser o que ela quiser ser, que rosa é cor de chiclete e azul é cor do céu e ponto. A partir daí, comecei a pesquisar de onde surgiu essa história de que rosa é cor de menina e azul é cor de menino, e tive então a ideia de fazer meu primeiro vídeo. E de lá pra cá não parei mais: fiz um vídeo questionando se brinquedo tem gênero; um falando sobre a história de resistência do futebol feminino, onde mulher jogar bola era caso de polícia; outro sobre a ideia de gênero ser uma construção social e cultural, a partir dos estudos da antropóloga Margaret Mead; um questionando a problemática de existir personagens homossexuais na TV, nos desenhos e livros; outro sobre a origem das palavras “viado”, “bicha” e “sapatão”; um sobre a minha experiência de ser afeminado e não corresponder aos ideais opressivos da masculinidade; e outro sobre a história da criminalização da homossexualidade, que em 2020 ainda é considerada crime em 70 países”, diz ele.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O profissional, que é formado, também, em Figurino pela Escola de Belas Artes (UFRJ), procura produzir seus vídeos de forma dinâmica e repletos de informações relevantes. “A minha série de vídeos busca a reflexão e questionamento dos padrões estabelecidos pela sociedade para os gêneros e sexualidade. A frase “o propósito da arte é desnudar as questões que foram ocultas pelas respostas”, do James Baldwin, serviu de inspiração para a série e para o título dos vídeos que aparece na abertura: “Desnudando a História”. Acho importante descortinar os conceitos, rever as “verdades” que foram ditas pra gente desde pequenos, desconstruir e expandir a reflexão para enxergar as coisas com um ponto de vista mais compassivo, com responsabilidade e respeito às nossas diferenças”.

Provocativo e necessário, o artista aproveitou o ensejo para fazer uma breve explanação sobre o que vem por aí. “No próximo vídeo, que lanço dia 16, falo sobre a homossexualidade na Bíblia, questionando as justificativas para a perseguição aos homossexuais, que estão baseadas em vários argumentos controversos, e que provavelmente contribuíram em alimentar a homofobia ao longo da história”, arrematou.

Instagram – @eucesarsoares

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio