A Assembleia Legislativa do RS receberá a absurda palestra, no próximo dia 18, com tema que vê transexualidade como epidemia. Com o nome “Epidemia de Transgêneros: o que está acontecendo com as nossas crianças?”, o evento será ministrado pela psiquiatra Akemi Shiba com projeto do deputado estadual Eric Lins (DEM).

Segundo nota do Carta Capital, tanto a médica quanto o deputado fazem parte de um grupo chamado “Escola Sem Doutrinação”, que segue a mesma ideia do movimento “Escola Sem Partido” e defende que as escolas não podem trabalhar temas relacionados à educação sexual e identidade de gênero.

A assessoria do deputado Eric confirmou a palestra e disse que o parlamentar usou seu cargo para dar visibilidade ao tema defendido por Akemi. A palestra não faz parte de nenhum evento da casa.


A psiquiatra fere o que reza o Conselho Federal de Medicina (CFM) ao defender que adolescentes trans não podem fazer tratamento hormonal a partir dos 16 anos e que a cirurgia só pode acontecer depois dos 21.

Além disso, caracteriza transexualidade como epidemia classificando como doença, sendo que em 2018, a Organização Mundial da Saúde deixou de classificar transexualidade como disfunção mental.

A médica postou um artigo no site “Articulação Conservadora” em que justifica sua opinião baseada em uma organização religiosa de pediatras dos EUA. A American C0llege of Pediatricians defende, entre outras coisas, que família é formado por pai e mãe e que sexo seja feito só depois do casamento.

Segundo o advogado Paulo Iotti, responsável pela ação no STF que criminalizou a LGBTfobia, a psiquiatra praticou crime ao induzir ou incitar o preconceito (art. 20 da Lei 7716/89), Akemi pode ser enquadrada na lei de racismo, que desde 2019, após uma decisão do STF,  passou a englobar também a LGBTfobia.

Em nota, o deputado Eric diz que a palestra é uma inciativa que visa conversar sobre se está havendo ou não uma hipersexualização ou mesmo indução a transexualidade pela mídia e pelos movimentos de esquerda.