Sócrates
Sócrates (Foto: Tiago Marinho)

Christian Malheiros, protagonista da série “Sintonia” da Netflix, acaba de debutar na telona – o ator está em cartaz no longa “Sócrates” – primeiro filme de Alexandre Moratto. A obra aborda a vida de Sócrates, um jovem que se vê obrigado a viver nas ruas da cidade de Santos após perder a mãe com apenas 16 anos de idade. Além das dificuldades financeiras e a fome, o enredo trata também da homofobia na juventude e o quão difícil é firmar-se como cidadão nos dias atuais. Entre idas e vindas, o jovem engata um romance não correspondido e faz com que os telespectadores se questionem acerca dos preconceitos e dificuldades diários do brasileiro.

Em entrevista ao site, o indicado ao Independent Spirit Awards, Christian Malheiros, aborda a relação pessoal com o personagem e a recepção da crítica com a obra.

Como heterossexual, você sentiu de alguma forma uma pressão maior por dar vida a um personagem gay? Talvez devido ao medo de desagradar o público ou algo assim?


Eu me dedico profundamente à cada personagem que eu faço e não sinto pressão em dar vida eles

Qual cena de “Sócrates” foi a mais difícil de gravar pra você e por quê?

A cena mais difícil foi comer comida do lixo, pois já passei fome e não é nada legal. E pensar que ainda existem pessoas nestas condições, é assustador e triste.

Você se identifica com o personagem de alguma forma? Alguma passagem de Sõcrates lembra alguma parte de sua vida?

Sim, me identifiquei por também ter nascido na periferia e ter passado por situações parecidas, como fome.

Em sua opinião qual é a mensagem que o filme pretende mostrar – fazer com quem pensem sobre a homofobia ou reflitam sobre a vida de jovens que estão à mercê do crime diariamente ? Pra mim, o diretor quis unir e fazer com que as causas negras e LGBTs pensassem de forma conjunta, qual é a sua interpretação da obra?

O diretor não pensou diretamente na causa negra, mas sim em uma situação real com qualquer adolescente gay que não é aceito pela sociedade e sofre discriminação. A obra mostra que existem muitos Sócrates espalhados por aí. Acredito que seja mais uma obra para refletir a situação real do nosso país

Como está sendo a repercussão pós estreia nos cinemas? Você emendou “Sintonia” na Netflix e Sócrates nos cinemas, isso lhe faz sonhar ainda mais alto?

A repercussão está sendo muito positiva e acredito que as pessoas, assim como eu, sempre buscam sonhar mais alto, ir além, aceitar os desafios de coração aberto.

Houve represália de alguma parte dos telespectadores: Por parte de quem assistiu à serie da Netflix ou ao filme?

Fico feliz em dizer que fui muito bem aceito em ambos os papéis.

Neste ano, você fará parte de alguma outra produção?

Sim, fiz participações em duas séries e agora estou em um longa do Mateus Souza que estreia ano que vem!