Freddie Mercury
Freddie Mercury (FOTO: Reprodução/YouTube)

Ele nasceu como Farrokh Bulsara no dia 5 de setembro de 1946, em Londres, mas foi com o nome de Freddie Mecury que eternizou seu lugar na história musical. O legendário cantor também era pianista e compositor, tendo seu auge nos 21 anos que esteve como vocalista da banda Queen.

Bissexual, morreu no fim de 1991, por conta de uma broncopneumonia, causada pela AIDS. A síndrome trouxe a ele um indesejável assédio de uma mídia mais inescrupulosa, que o ‘assediou’ até o fim de sua vida. Nesta quinta-feira (5), Freddie completaria 73 anos e, por isso, resolvemos relembrar alguns vídeos que fazem uma retrospectiva de sua carreira.

1973 – Sua carreira solo começou com o pseudônimo de Larry Lurex, quando lançou um single com as canções “I Can Hear Music” e “Goin’ Back”.


1973 – No mesmo ano, a banda Queen lançava os primeiros álbuns: “Queen” e “Queen II”, que tivera uma repercussão mais abrangente ao Reino Unido. Keep Yourself Alive era uma das faixas.

1974 – Um dos primeiros sucessos mais amplos da Queen, foi a canção “Killer Queen”, que estava no álbum “Sheer Heart Atack”, terceiro da banda.

1975 – Nesse ano, o álbum “A Night at The Opera” trouxe mais canções com maior alcance. “Love of my life” foi homenagem à Mary Austin, com quem se envolveu amorosamente durante anos. Após Freddie revelar seu lado homossexual, o romance acabou, mas amizade perdurou até o fim de sua vida. Mercury era padrinho do filho da moça e lhe deixou de herança os direitos autorais de suas obras, de acordo com a ‘BBC’.

1975 – “Bohemian Rhapsody” também fazia parte do álbum citado acima, sendo hoje uma das primeiras lembranças quando pensamos em Freddie Mercury. Na época, foi considerada uma música inovadora, por trazer um vide promocional. Por semana, passou no topo das paradas do Reino Unido e inúmeros outros países, como informa o site ‘Shmoop’. Até 1976, vendeu mais de 1 milhão de cópias.

1977 – Esse ano trouxe o álbum “News of the World”, com um estilo mais simples. “We Are The Champions” até foi motivo de controvérsias, de acordo com o Rolling Stones Brasil, por parecer — inicialmente — arrogante pela letra. Por fim, virou trilha sonora de trajetórias vitoriosas.

1977 – Também no mesmo álbum, fez sucesso com o “We Will Rock You”, que foi considerada por várias revistas de renome como a estrangeira ‘Rolling Stones’, como uma das melhores canções de todos os tempos.

1979 – Dois anos depois, vinha o single “Don’t stop me now”, sem o habitual caráter melancólico, apostando no rock puro. A letra da música, composta exclusivamente por Freddie Mercury, traz uma mensagem positiva sobre a viva, usando várias metáforas de livre interpretação.

1981 – Esse foi o ano em que a banda Queen se apresentou no Brasil pela primeira vez, no Estádio do Morumbi, em São Paulo, trazendo um público de mais de 100 mil pessoas naquela noite.

1984 – O álbum “The Works” permitiu que a banda retornasse seu sucesso, com músicas como “Radio Gaga”, “Hammer to Fall” e “I Want To Break Free”. Essa última, virou uma grande referência, tanto em repercussão, quanto pelo lendário videoclipe com os integrantes da Queen vestidos com roupas femininas.

1985 – No ano seguinte, foi a vez da banda se apresentar novamente no Brasil, em dois dias, reunindo mais de 250 mil pessoas em cada um desses. A ocasião aconteceu na primeira edição do ‘Rock In Rio’.

1985 – O primeiro álbum solo de Freddie Mercury foi o LP “Mr Bad Guy”, com uma música dançante e debochada, o hit “I Was Born to Love You”, também com um tom romântico.

1985 – No dia 13 de julho desse ano, aconteceu o histórico show do “Live Aid”, no Estádio de Wembley, em Londres. No piano, tocando a música “Bohemian Rhapsody“, fez 72 mil pessoas cantarem em coro.

1987 – Nesse ano, descobriu ser portador do vírus da AIDs, que debilitou sua saúde física, causa que lhe faria morrer 4 anos depois. O dia 8 de agosto de 1986 foi a sua última apresentação, o concerto final da “Magic Tour” em Londres.

1988 – Um ano depois, Freddie Mercury realizou seu sonho de gravar ao lado da soprano espanhola Montserrat Caballé, o disco “Barcelona”, que trouxe ao público o clássico “How Can I Go On”.