Saúde: Saiba quais são as violências mais comuns a LGBTs no Brasil

Muitas pessoas da nossa comunidade sofrem violência de diversas formas

Publicado em 10/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A LGBTfobia é um tema social super relevante para o momento em que vivemos, tendo como contextualização o ódio em que muitas pessoas LGBTs sofrem constantemente no seu dia a dia. Este termo vem ampliar as marcas do preconceito para toda uma comunidade, não sendo apenas direcionado esta hostilidade a homossexuais – lésbicas e gays – como antes era caracterizado pela expressão homofobia.

Ao decorrer do mundo existe uma luta comum contra a homofobia por nossa comunidade LGBTQIA+, trazendo para um conceito mais amplo, LGBTfobia. Tendo até o dia 17 de maio em prol desta ação de todos, sendo uma das datas mais importantes para o movimento, tendo como referência um feito histórico há 31 anos atrás. A OMS (Organização Mundial da Saúde) deixou de considerar a homossexualidade como doença, sendo retirada da lista de classificação Internacional de doenças e problemas relacionados a saúde (CID).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desta maneira, precisamos cada vez mais mostrar para as pessoas que nossa luta consiste em uma única palavra, respeito, tratando-nos com a igualdade que precisamos. Não podemos nos deixar de posicionar, não podemos nos calar diante de todo o preconceito. Como membro de uma sociedade, precisamos de políticas públicas que deem espaço e oportunidade, favorecendo a equidade. Precisamos de ter espaço para ouvir e compreender, termos voz em uma sociedade preconceituosa.

Em nossa sociedade, devido não ocorrer políticas publicas para entendimento dos casos de violência a comunidade LGBTQIA+, temos dificuldades de dimensionar as ocasiões de violências no nosso país. A pesquisa mais próxima foi realizada em 2016 pela Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil, constatando com 35,6% a violência mais comum ser a psicológica, sendo seguido com 35,1% pela discriminação, em terceiro lugar ocupa a violência física. Compondo o péssimo ranking na quarta e quinta posição, respectivamente, violência institucional e negligência.

Eu sou o Maurício de Britto, colunista de políticas públicas na coluna Politizah (Clique aqui)!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

MOLETOM PRIDE BRASIL

Comprar

CADARÇOS PRIDE

Comprar

PRIDE UNDERWEAR - COLORS

Comprar

MACACÃO PRIDE SUMMER FLAMINGO

Comprar

SHORT PRIDE

Comprar