Camila Prins de 40 anos vai desfilar em quatro escolas de samba nesse Carnaval de 2020. Segundo o G1, a musa está se preparando para aguentar a maratona com investimento pesado em aulas de samba, estética, drenagem, massagem, e muito tratamento facial.

Ela estará presente em quatro escolas de samba, entre elas: como madrinha de bateria da Colorado do Brás, Camisa Verde e Branco, Unidos de Santa Barbara e na União Imperial, escola de samba de Santos no Litoral Sul de São Paulo. Vale mencionar que a musa também foi convidada a desfilar na Suiça, pela Escola de Samba Sueca Lausanne.

“Me sinto vitoriosa. Eu venci, a comunidade trans venceu, estamos aqui e vamos ocupar cada vez mais todos os espaços”, afirmou Prins. Ela ainda relembrou o caso onde desfilou por três anos sem revelar ser trans.


“Tinha medo de me bloquearem e não me deixarem desfilar. Minha estilista, que foi quem me levou, disse que não era para eu conversar muito, só me apresentar como Camila. Só fui bater no peito e dizer que sou trans quando entrei na frente da bateria em 2018”, contou.

Camila fala com orgulho sobre ter conquistado esse lugar, afinal o Brasil é o país que mais mata travesti e transexual segundo o IBGE. “Quem é do samba sabe como é difícil conquistar este espaço. Ainda mais no Brasil, o país que mais mata LGBTs no mundo”.

“Foram 20 anos de samba para estar aqui, e com o respeito das escolas e suas comunidades. Tenho recebido muitas mensagens dizendo que eu inspiro muitas outras mulheres trans a chegar onde cheguei”, concluiu.