Performance Cualquiera! Cualquier cosa sobre todo en mi é destaque na Mostra Devires
Performance Cualquiera! Cualquier cosa sobre todo en mi é destaque na Mostra Devires (Foto: Divulgação)

De 27 a 29 de setembro (quinta a sábado), o projeto “Devires” realiza sua terceira e última etapa, concluindo uma série de ações artísticas que propõem um exercício de desnaturalização das relações entre sexo, gênero, visualidade, raça e poder. O evento, que ocupa o Goethe-Institut, em Salvador, tem programação gratuita e apresentará mais quatro performances, uma mesa de debate, uma oficina e um show de encerramento, na perspectiva de fazer da arte instrumento de questionamento e fortalecimento mútuo, afirmando a diversidade de corpos, defendendo sua liberdade e urgindo pela dignidade de vozes silenciadas.

Contemplado pelo Edital de Dinamização de Espaços Culturais, com apoio financeiro do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda, a mostra se fundamenta, essencialmente, em transgredir, transmutar e subverter qualquer ação que aprisione identidades e personalidades.

LEIA MAIS:


Amil rebate reclamação homofóbica de cliente sobre campanha publicitária: “Celebramos a diversidade”

Atração do festival de combate à Aids, Claudia Leitte convida fãs para se engajarem na luta

As lógicas hétero e cisnormativas, o machismo, o patriarcado, o racismo, as censuras são colocadas em xeque. Indivíduos na militância artística por uma cidadania mais coletiva e por uma micropolítica que possa ir penetrando, dia a dia, nas condições de autonomia, intimidade e proteção de todos e todas.

A curadoria de Paola Marugán e Juliana Vieira traz, portanto, o corpo para o centro do discurso, abrindo olhar para outros mundos possíveis.

SERVIÇO:

MOSTRA DEVIRES Etapa 3

Onde: Goethe-Institut Salvador-Bahia (Av. Sete de Setembro, 1809 – Corredor da Vitória)

Quando: 27 a 29 de setembro de 2018

Performances

Neblina Canibal, de Maikon K (PR)

27/9, 20h Classificação indicativa: 16 anos

Uma experiência gerada no atrito corpo-palavra-público. Como acionar a linguagem, o léxico, de outras maneiras, criando novos sentidos para aquilo que tenta nos definir e apreender. Como desestabilizar o mundo através da fala, da voz, do som. Como o corpo deforma as palavras e o espaço, como as palavras transformam o corpo.

Obra em Construção, de Roberta Nascimento (BA)

28/9, 20h Classificação indicativa: 16 anos

Uma obra em construção. Parte dela vem dos sentimentos vividos nos últimos dois anos da vida da artista. A outra parte virá do que reverberará, dentro de si, a partir da exposição “Nosso Amor Sapatão: 10 anos de Revolução”, realizada em sua própria casa, entre agosto e setembro.

Cualquiera! Cualquier cosa sobre todo en mi, de Maria Tuti Luisão (DF/BA)

29/9, 19h Classificação indicativa: Livre

Um manifesto pornoterrorista que brinda o corpoprazer como poética-estética de resistências criativas frente a um sistema violentamente heteronormativo e genocida. Cristianismo, submissão, família, racismo, loucura, normalidade, controle são temas retratados.

REBENTAÇÕES: MOVIMENTO #1 dilatação (repartir), de SaraElton Panamby (SP/MA)

29/9, 20h Classificação indicativa: Livre

Sobre gestação, parto e cuidado a partir do movimento de descolonizar-se deslocando-se geograficamente do sudeste rumo ao norte, na geração de uma geografia própria através do compartilhamento do corpo pelas gravidezes e gravidades num corpo trans, racializado e marginalizado.

Oficina

Território Corpo, Território Terra: oficinação feminista, com Damiana Bregalda e Luiza Dias Flores (RS)

27/9 e 28/9, 9h às 13h 15 vagas. Inscrições no site.

A partir da noção de território-corpo, território-terra, esta oficina se propõe experimentar corpografias ou escrevivências corporais que possibilitem percorrer trajetórias e deslocar aos territórios dos outros. Como reinscrever na pele o que já nos constitui? Por quais caminhos trilho minhas resistências? Com que partes e experiências de mim eu percorro rotas ao encontro do outro? A pretensão é produzir de forma coletiva a afirmação da vida, na sua multiplicidade, e a cura como potências de resistência.

Mesa de debate

Estar Juntas, Sentir Juntas, Construir Juntas, com Emanuelle Silva (BA), Luise Reis (BA) e Luiza Dias Flores (RS). Mediação: Viviane Vergueiro Simakawa (BA)

29/9, 16h às 18h30 Classificação indicativa: Livre

Como construir um lugar em que compartilhar o ser, fazer e estar no mundo a partir de um diálogo horizontal nos permita crescer e ressoar juntas? Nesta mesa, a conversa será sobre corpo, enquanto território vivo e histórico de uma perspectiva cosmogónica e política, e sobre o território, enquanto acontecimento ético contra a dominação e a exploração dos recursos do planeta.

Show

Verona’s (BA)

29/9, 21h Classificação indicativa: Livre

Banda soteropolitana formada por quatro mulheres negras e multi-instrumentistas advindas de bairros populares da cidade. A sonoridade flerta com jazz, rock e com a malemolência musical e ancestral da Bahia em seu além-mar, inspirada no corpo feminino, na literatura, na vida diária e popular.

DEIXE UMA RESPOSTA