Evento discute visibilidade de mulheres lésbicas e bissexuais na sociedade

Lésbicas
Lésbicas (Foto: Reprodução/Pixabay)

As comemorações que marcam o dia da Visibilidade Lésbica, celebrado nesta terça-feira (29) se estendem durante toda a semana com o Colóquio da Visibilidade Lésbica – Arte e Empoderamento, que discutirá a posição de mulheres LBTs na sociedade. O evento deu o ponta pé inicial para II Seminário Estadual de Lésbicas e Bissexuais que acontece nesta quarta (30) e quinta-feira (31) na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Para a coordenadora do Fórum LGBT de Pernambuco, Rivânia Rodrigues, as pautas do colóquio tem como objetivo mostrar a importância da luta por direitos. “Queremos ser visíveis dentro do contexto LGBT. Um dos nossos pleitos é a punição severa contra os agressores que promovem o chamado estupro corretivo. Pernambuco tem um grande índice desses casos, sobretudo em cidades do interior e no Bairro do Recife”, pontuou.

Rivânia, que também coordena o Coletivo de Lésbicas e Mulheres Bissexuais, Negras, Autonômas e Feministas (Candaces), da região nordeste, ressalta que a saúde da mulher também é pauta no pleito. “Lutamos por uma camisinha apropriada para o sexo entre mulheres. Queremos ter o mesmo direito à maternidade que uma mulher heterossexual, com direito à inseminação artificial pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Queremos que o estado assegure a visita íntima nos complexos prisionais. Muitas de nós também temos medo de ir ao ginecologista, de utilizar espectros”, detalhou.


Leia Mais:

Secretária de Estado portuguesa, Graça Fonseca, se assume lésbica em entrevista

Ricky Martin revela dificuldades para viver gay em American Crime Story

O seminário também abordará a saúde mental das lésbicas, e como elas são vistas na terceira idade. Ainda o evento contará com a exibição do documentário “Lésbicas e suas Histórias de Militância”, da jornalista Angélica Araújo.

O Colóquio faz parte da Caravana da Visibilidade Lésbica e Mulheres Bissexuais de Pernambuco, promovida pela a Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ) em parceria com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e Movimentos Sociais.

As informações são do jornal Diário de Pernambuco.

 


DEIXE UMA RESPOSTA